Julgar

Dizem-nos para não julgarmos se não queremos ser julgados.
No entanto, somos julgados, pelos nossos clientes que escolhem entre nós e um concorrente, pelos nossos colaboradores que escolhem entre aliar as suas carreiras ao nosso destino, e pelos nossos pares, aliados e antagonistas passivo-agressivos nas redes sociais.
Observar o mundo com uma serenidade desapaixonada não é receita para o progresso ou a aprendizagem. Grandes produtos, grande design, grande ux, grandes empresas, grandes culturas, grandes escritores, grandes religiões, todos eles dependem de um conjunto forte de julgamentos.

1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *